Jogo online na Grécia e Hungria

Actualmente, são inúmeras as notícias todos os dias sobre novos pontos das legislações do jogo online nos países Europeus.

Uns aderem, outros são contra, e outros encontram-se em situação incerta (como é o caso de Portugal).

O certo é que cada país tem o seu ponto de vista e legislação sobre este assunto.

Nos últimos dias as notícias vindas de países como a Hungria apontavam para um caminho na direcção dum jogo online regulamentado, enquanto que os ecos da Grécia mostravam que a regulamentação encontrava algumas dificuldades.

A Hungria tem mostrado até agora excelentes progressos. O país deixou um modelo monopolista de jogo (semelhante a Portugal com a Santa Casa Da Misericórdia) e adoptou o jogo online regulamentado e legislado.

O único senão ainda se prende com os valores a taxar já que a lei húngara apresenta regras muito complexas para o taxamento dos rendimentos do jogo online.

No caso da Grécia, a situação pode ter encontrado um pequeno percalço pelo caminho. O pedido do governo para regulamentar o jogo online foi recusado pela segunda vez pela Comissão Europeia, sendo a revisão foi remarcada para o mês de Junho, mais propriamente para o dia 6.

O próprio ministro grego das Finanças submeteu um anteprojecto a fim de aumentar os valores de taxa para 700 milhões de Euros anuais.

Parece inevitável que com o passar do tempo, todos os países da comunidade europeia, possam ter uma legislação que permita taxar os operadores de casinos e usufruir dum sector que apresenta um crescimento estável e sólido.

Com tantos ecos vindos dos mais variados países europeus é de esperar, ou pelo menos desejar, que nos próximos meses haja algum plano com futuro para Portugal, a fim de não ficar também na cauda da Europa em mais um sector.