Asset 1

A febre dos anúncios ao jogo

Publicidade de jogo online - Betclic.pt

A febre dos anúncios ao jogo

Autor Nuno Sampaio
Setembro 15, 2019
1099
0

Se vive em Portugal e tem acesso a canais por cabo, é impossível que não tenha reparado na enorme quantidade de anúncios a sítios de apostas e casinos online na TV.  Estes anúncios estão, naturalmente, autorizados pela lei portuguesa e apenas publicitam sítios de jogo online devidamente licenciados pelo SRIJ e, portanto, legais e seguros.

As ofertas anunciadas respeitam a bónus de primeiro depósito, diversas apostas desportivas, slots e a toda uma variedade de ofertas com que cada sítio procura destacar-se em relação à concorrência, cumprindo, no fundo, aquela que é a grande finalidade do marketing e publicidade. O enorme crescimento de publicidade a este tipo de serviços na televisão prende-se claramente com o permanente aumento do número de jogadores inscritos nestes sítios, no nosso país. O jogo online é um mercado de sucesso e os seus intervenientes pretendem, naturalmente, potenciar os seus lucros, servindo-se dos meios de comunicação disponíveis para apresentar as suas ofertas e conquistar ainda mais clientes.

A polémica da publicidade da Betclic.pt

Efetivamente, a publicidade televisiva a sítios de jogo e apostas online foi-se instalando timidamente no nosso país, até se tornar numa constante em canais abertos e, principalmente, nos difundidos por cabo. E, todavia, tudo corria bem e pacificamente até recentemente surgir a publicidade ao betclic.pt protagonizada por António Raminhos.

Com efeito, conseguir que o conhecido humorista figurasse na campanha do sítio já seria, à partida, um trunfo importante para o betclic.pt, mas o sítio pretendeu apresentar outras vantagens na sua campanha, especificando alguns dos 160 tipos de apostas desportivas disponíveis e comparando-os de forma direta com a oferta disponibilizada pelo grande rival – o placard.pt, que apenas disponibiliza 9 tipos de aposta.

Ora, o certo é que a campanha publicitária do betclic.pt rapidamente desapareceu de todos os canais, tendo sido (espante-se) censurada! Ao que consta, o placard.pt, que é gerido pela Santa Casa da Misericórdia, terá conseguido inviabilizar a difusão da campanha, que apenas se encontra online. Este desfecho veio intensificar as acusações por parte de casinos e sítios de apostas online em relação ao favoritismo do Estado para com o placard.pt (dado o estatuto semipúblico da sua gestão). Os sítios e casinos online licenciados em Portugal questionam até que ponto é justo que a Santa Casa concorra de forma direta com empresas totalmente privadas, e o caso do anúncio do betclic.pt poderá ter sido um exemplo mais que perfeito de ingerência pública na esfera privada. Sigamos os seus desenvolvimentos.